O que acontece com um suicida?

 

 

Muitos de nós, por não ter a dimensão exata do que significa ser um suicida, acredita que suicida, é aquele que, levado por um ato de completo desatino, atentando contra a própria vida consegue seu intento. No entanto essa não é a verdade completa.

Há uma gama muito variada de “Suicidas Inconscientes”, que são aqueles que não respeitam seus limites, aqueles que desrespeitam e agridem sua saúde, dentre outras coisas, com os excessos do fumo, da comida, do álcool e dos tóxicos em geral.

Kardec, nas questões de 943 a 957 de “O Livro dos Espíritos” em consulta aos Espíritos Venerados sobre o suicídio, nos dá uma primeira visão sobre a importância deste assunto.

Em “Nosso Lar” André Luiz nos relata sua própria história como tendo sido um Suicida Inconsciente, revelação essa que na época o deixou perplexo, até porque, segundo sua ótica, ele nuca havia atentado contra sua vida.

Em “Memórias De Um Suicida” de Yvone Pereira, numa leitura extremamente elucidativa, a Espiritualidade descreve fatos e situações complexas vividas pelos suicidas, ainda nos informa sobre aparelhamentos incríveis existentes no mundo astral de que se serve a Espiritualidade a serviço do amor e da misericórdia de Deus, do qual destacamos um trecho: “….o próprio traumatismo que este tipo de desencarne acarreta leva-o a lugares afins, que corresponderão a seu estado vibratório e mental, até que seja naturalmente ‘desanimalizado’, isto é, que se desfaça dos fluidos vitais de que são impregnados todos os corpos matérias.

Embora temporária essa estadia no Umbral é dolorosa e complexa, variando de acordo com os atos praticados, o gênero de morte a que se entregou. Alguns aí ficam por poucas horas, outros levarão meses ou anos, voltando à reencarnação sem a Espiritualidade. Normalmente aí se demorarão o tempo que lhes restava para a conclusão do compromisso da existência que cortaram, pois trazem carregamentos avantajados de forças vitais animalizadas e uma desorganização mental nervosa e vibratória complexas.

Daí seu grande sofrimento, para o qual o único bálsamo é a prece das almas caritativas!

Temos aí registrada mais uma vez a importância da prece em favor dos suicidas, único bálsamo a lhes amenizar os tormentos, dada a grande conclusão, dificuldade e sofrimento em que se debatem, visto terem – os suicidas ditos ‘conscientes’- buscados na “morte” o alívio para a fuga de seus tormentos, o que resulta num ledo engano, de vez que, como vimos, quando encarnamos nos é dada uma cota de energia vital suficiente para abastecer o tempo de nossa caminhada, e se, como é o caso do suicida, essa carga de energia é interrompida pelo ato desesperado, obviamente ela terá que ser desgastadas, “do outro lado da vida”, de uma forma dolorosa, até que se desfaçam as pesadas cadeias que atrelam o Espírito ao corpo.

Nossa encarnação é fruto e resultado de uma longa elaboração no mundo espiritual e não nos cabe o direito de atentar contra ela.

Toda encarnação, por penosa que seja, é uma benção concedida por Deus a nosso benefício, a benefício de nossos resgate, aprendizados e evolução a que somos destinados. E por isto não devemos malbaratar a chance que nos foi concedida mais uma vez, mas aproveitá-la, utilizando-nos dos ensinamentos que Jesus nos deixou para que aprendêssemos a nos amar, respeitando nossas vidas, nossos limites e oportunidades, para então podermos amar a nosso próximo como a nós mesmos.

“Para os problemas busquemos as soluções… para as incertezas… as dádivas de Deus.”

Doracy Mota ——————————————————————————–

Bibliografia: O Livro dos Espíritos – Allan Kardec Nosso Lar – André Luiz O Vale dos Suicidas – Yvone Pereira

Fonte: http://nossolar.org.br/site/atualidades/a-cerca-do-suicidio/

Check Also

Trabalhadores da última hora no dia a dia

  Trabalhadores da última hora no dia a dia – Antonio Cesar Perri de Carvalho …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *